7 de mai de 2009

Curiosidades sobre filmes

Vi aqui ó!

Veja abaixo algumas curiosidades legais mostrando como os designers pensam:

Jurassic Park

O Tiranossauro:

No filme Parque dos Dinossauros, os artistas da ILM usaram como referências bolas de golfe e de ping-pong para marcar o chão durante a filmagem. As bolas eram enterradas parcialmente no chão, de forma a aparecer somente a sua metade. As cenas eram escaneadas e construia-se em 3D uma representação do cenário. Isto era possível porque se conheciam o tamanho das bolas e as distâncias entre elas. Assim bastava criar as bolas em 3D e construir um modelo do chão baseado na posição destas bolas 3D. Isto permitia com que se criasse em 3D uma representação deste chão de forma que os dinossauros pudessem interagir com o cenário, projetando sombras no chão, formando reflexos em água, etc. Dessa forma era possível sincronizar a câmera real com a câmera virtual. Um exemplo interessante de interação com o cenário foi o da cena do T-Rex na chuva. A água esguichando da pisada do T-Rex foi obtida por composição. Para isso, filmaram um objeto caindo em uma pequena poça de água, em um cenário todo preto. Depois criaram um canal alfa da filmagem dos espirros de água e mesclaram ao redor do pé do T-Rex.













A cena do Jipe:

No filme Parque dos Dinossauros, em cada cena criavam-se em 3D todos objetos reais que deveriam interagir com os dinossauros, com chão, árvores, etc. Assim quando o Tiranossauro persegue o jipe, foi criado em 3D: o dinossauro, o chão e o jipe. O chão e o jipe em 3D não apareceriam na cena final, eram apenas para que fosse possível estabelecer o movimento e o chão e jipe reais pudessem receber as sombras do dinossauro.












A cena da fuga dos Galliminus:

No filme Parque dos Dinossauros,ao animar, os animadores da ILM criaram os movimentos principais como andar, correr, etc. Em seguida, adicionaram dobras na pele em função destes movimentos. Depois adicionaram movimentos de expansão e contração afim simular a respiração dos dinossauros. Para movimentar as mandíbulas, braços e pernas, os animadores da ILM usaram um recurso comum em programas 3D chamado Dummy, que é um cubo que pode controlar outro objeto. Ao movimentar este cubo (Dummy), o braço faz o movimento desejado, seguindo os parâmetros de IK (cinemática inversa). Para criar a cena do bando de Galiminus correndo, primeiro foi criado um ciclo de corrida para um único animal. Este ciclo foi aplicado para todos os outros Galiminus. Depois animaram o movimento do bando de mais de 25 Galiminus pelo terreno. Para isso usaram formas geométricas simples (sem pernas) parecidas com eles. Após o movimento do bando já estar todo coreografado, as formas geométricas simples foram substituídas pelo Galiminus mais detalhados e com o ciclo de corrida já feito anteriormente. Assim, criou-se um bando de dinossauros correndo pelo terreno. Em seguida foram adicionados pequenos detalhes para que cada um deles tivessem diferenças um dos outros, como desviar de um pedra, etc.







O Advogado Morrendo

No filme Parque dos Dinossauros, na cena em que o T-Rex devora o advogado, foi filmado o advogado sentado sobre o sanitário e depois sendo puxado para cima por meio de 2 cordas. Depois colocaram o T-rex em 3D e a partir do momento em que ele morde o advogado, eles o substituem por um modelo em 3D, que na verdade era o modelo em 3D do T-1000 do filme Exterminador do Futuro 2.



Outras Curiosidades:

-> Os programas usados para o filme Parque dos Dinossauros foram: “Alias” para modelagem 3D, “Softimage” para animação e “Renderman” para a renderização.

->No filme Parque dos Dinossauros, para cada quadro do filme (são 24 por segundo) os artistas da ILM demoravam cerca de uma hora para fazer a composição e para renderizar os computadores demoravam cerca de 2 a 4 horas. Na cena do T-Rex na chuva era 6 horas para renderizar cada quadro.

->Steve Spaz Williams, animador 3D da ILM, levou 2 meses para animar a cena em que o T-Rex persegue o jipe no filme Parque dos Dinossauros. Para visualizar se a cena tinha erros de animação, ele observava a cena em 3D de trás para frente.

Jurassic Park (The Lost World)

No filme Parque dos Dinossauros - O Mundo Perdido, na cena em que o T-Rex bebe água de uma piscina de uma casa e um cachorro late para o dinossauro, foi preciso execução de 5 passos:

1) filmam uma piscina iluminada por baixo para que apareça a superfície da água;
2) filmam o cachorro latindo, em resposta ao seu treinador que está do outro lado;
3) filmam um técnico revirando a água da piscina com uma pá, simulando a língua do T-Rex;
4) em um cenário todo preto, filmam uma espécie de calha com água escorrendo e sendo erguida por cabos, para simular a água escorrendo da boca do Tiranossauro;
5) na composição, os artistas apagam o treinador e o técnico, colocam o dinossauro em 3D e colocam a água escorrendo na boca do dinossauro. Outra cena interessante é quando o cargueiro colide com o cais. Nessa cena, o T-Rex sai do cargueiro levantando as duas portas. Para para dar violência a cena, os artistas da ILM adicionaram certos detalhes. Para isso, eles filmaram em um cenário todo preto, uma pequena placa preta acionada por alavanca para que parecesse uma das portas se abrindo. Colocaram pequenos fragmentos de cascalho em cima para que quando a placa fosse movida, simulasse a abertura violenta da porta. Em seguida, colocaram pó de giz branco sobre a placa para que quando ela fosse movida, simulasse uma nuvem de poeira se formando a partir da abertura violenta das portas. Segundo Denis Muren, supervisor de efeitos da ILM, "é a atenção aos detalhes, colocar o máximo de detalhes, mesmo aqueles que você pensa que não vê, mas na realidade vê sim, e isso contribui para tornar a cena mais realista".



Joe e as Baratas

No filme Joe e as Baratas, foram utilizadas cerca de 3.500 baratas verdadeiras, mas para as cenas em que as baratas precisavam ter comportamentos humanos, foi utilizada animação 3D. O diretor técnico Mitch Kopelman, da Blue Sky, tinha a tarefa de fazer com que as baratas em 3D se mesclassem perfeitamente na cena já filmada. Para isso, durante a filmagem das cenas, eram colocados na cena, objetos como esferas brancas, cinzas e cromadas no lugar em que as baratas 3D deveriam estar. Então eles filmavam com a esfera e depois retiravam a esfera e filmavam sem ela. As cenas em que tinha a esfera serviriam de referência para saber como deveria ser iluminada a cena. A cena com a esfera branca, serve como referência para saber a intensidade, direção e em alguns casos a cor da luz. A cena com a esfera cromada serve como referência para fornecer informação sobre a cor da luz e reflexos.















Godzilla

No filme Godzilla, em uma das cenas do filme, aparece o pé do Godzilla pisando sobre um táxi e então o esmaga. Para conseguir este efeito, os artistas da Centropolis filmaram vários elementos em separado.
1) primeiro filmaram a cena de fundo, que era a rua com vista do prédio, sem Godzilla, sem nenhum táxi.
2) Depois filmaram uma chapa de metal pesado sendo solta por cabos e caindo sobre um táxi em frente a uma tela verde, para simular o esmagamento do carro pelo pé do Godzilla.
3) depois filmaram carros estacionados em frente a uma tela verde, e fizeram movimentos de balanço com os carros, para simular o efeito de tremor que a pisada do Godzilla faria.
4) Filmaram em um cenário todo preto, uma chapa de metal caindo sobre uma poça de água, para simular a água espirrando da pisada do Godzilla.
5) usando pintura digital (matte painting) sobre a cena de fundo, eles pintaram o asfalto levantado, ou seja cratera que se forma na rua quando o Godzilla pisou.
6) Depois criam a animação da pisada do Godzilla, mas renderizada em fundo preto. Em seguida, durante a fase de composição, os artistas da Centropolis juntaram todos estes elementos separados, formando a cena do Godzilla pisando e esmagando o táxi, os carros balançando pelo tremor da pisada e o asflato levantando, formando uma cratera.




















Coração de Dragão

No filme Coração de Dragão, todas as cenas eram filmadas só com os atores, sem Draco, que era o dragão em 3D. Para ajudar o diretor e a equipe a estimar onde Draco deveria estar, Scott Squires da ILM, posiciona uma escultura de Draco perto da câmera. Assim, o enquadramento era então encontrado. Como a escultura era 10 vezes menor que o dragão teria, a distância em que a cena deveria ser filmada é então 10 vezes maior que a distância da escultura a câmera. Já para as cenas em que Draco dialogava de perto com os atores, eles usaram um processo diferente. Primeiro eles filmavam o ator conversando no set de filmagem com uma gravação da voz do ator Sean Connery. Para que o ator soubesse para onde olhar enquanto conversava, eles recortaram em madeira uma cabeça do tamanho da de Draco e seguravam com uma vara. Depois filmavam a cena sem a cabeça. Assim era possível dar a idéia que o ator estava realmente conversando com o personagem em 3D.










O Segredo do Abismo

No filme O Segredo do Abismo, em uma das cenas do filme surge um pseudópode de água e interage com os personagens, adquirindo as formas dos rostos. Para que o pseudópode de água refletisse o ambiente e parecesse real, John Knoll da ILM fotografou todo o set de filmagem (fotos das laterais, do teto, do chão, etc) e fez medições de onde estava cada luz e a posição da câmera. Editou as fotos no Photoshop, melhorando e sincronizando as cores entre as diversas fotos, para que não houvesse diferença entre elas. Criou em 3D uma reprodução do set, com mesmas medidas de largura, altura e comprimento do verdadeiro. Aplicou as fotos como texturas para as paredes laterais, o teto e o chão. Então posicionou cada luz virtual no set virtual de acordo com as luzes do set real. Colocou a câmera virtual de acordo com a posição da câmera real. Este processo permitiu com que quando o pseudópode de água fosse renderizado, passasse uma sensação real, como se estivesse mesmo no set real.
















Dr. Dolittle
Para uma das cenas do filme Dr. Dolittle, era preciso criar um diálogo entre Eddie e um cão. Para isso a empresa de efeitos especiais, Vision Art, criou uma cabeça de cão em 3D tomando com referência o cão real da cena. Essa cabeça foi criada em NURBS e foi colocada quadro a quadro sobre a cabeça do cão real, de forma a se sobrepor sobre a real. Em seguida eles animaram a boca da cabeça em 3D de acordo com o diálogo. Depois eles criaram a textura de pêlos para a cabeça em 3D. Durante a composição eles apagaram parte da boca real do cão para permitir com que o encaixe da cabeça em 3D fosse real.




























Twister:
O tornado criado em 3D pela ILM até hoje nos impressiona pelo realismo. O tornado em 3D de Twister foi supervionado por Stefen Fangmeier e uma equipe de mais de 70 artistas. Eles usaram o software Softimage para modelagem e animação. No Softimage criou-se um funil em NURBS, que é o corpo central do tornado e que será rodeado por partículas. Este funil foi animado pela técnica de Deformação por Spline. Nesta técnica, anima-se uma linha (como se fosse um esqueleto do tornado) em spline, alterando-se a posição dos pontos que a constituem. Como o funil foi atrelado a esta linha (spline), o funil se deformará e se movimentará conforme esta linha. Outros softwares 3D como 3D Studio Max também possuem este recurso que é conhecido como Deformação com Path. A equipe de Fangmeier usou o software Dynamation da Alias/Wavefront para animar as partículas de poeira do tornado. A ILM criou um plugin (pequeno software que complementa o software 3D) que tinha duas funções: o vórtex e a turbulência, controlados por 2 cursores deslizantes no plugin. O vórtex faz as partículas girarem ao redor do funil e a turbulência faz elas se moverem aleatoriamente. Se desligar o vórtex, as partículas movimentam-se sem destino. Se desligar a turbulência elas se movimentam ao redor do funil, mas de forma muito ordenada. Então trata-se de achar um intermediário entre estas duas funções, que mostre um tornado e ao mesmo tempo que tenha violência e caos.











Alien (A Ressurreição)
No filme Alien - A Ressurreição, a empresa de efeitos visuais, Blue Sky, criou versões em 3D do Alien para cenas difíceis, como quando nadavam. Em uma dessas cenas, um dos Aliens que estavam perseguindo os personagens debaixo dágua levava um tiro e explodia. Para conseguir este efeito, eles filmaram os atores em um tanque d'água. Depois colocaram uma réplica em tamanho natural do Alien, só que feita de cera e presa em uma estaca. Em seguida eles a explodiram. Depois colocaram os Aliens 3D nadando e quando ele leva um tiro, eles retiram o Alien 3D e deixam a imagem do boneco de cera que explodiu.

4 comentários:

  1. Tem uma que no Filme do Bob Esponja, o Rei Netuno Queima o Seu Sirigueijo, ai ele corre esua roupa queima, depois reaparece e sua cueca está queimando, depois ele volta nu e diz que ele está queimando, mas quando ele se joga na tina de água, reaparece com roupa e tudo!

    Acesse:
    http://www.idjay-c.blogspot.com/
    E Veja o: Mega Post Nº 2

    ResponderExcluir
  2. Joe e as baratas mudou minha vida !

    ResponderExcluir
  3. oi! (:
    tinha parceria com voce no outro blog
    http://casteloletras.wordpress.com
    agora trocamos para um servidor pago.. tem como atualizar nosso site no seu? agora é :)
    http://www.pedrasdomeucastelo.kuem.com.br/
    Já esta linkada lá!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oie, como é que tá?
    Dedicamos um selo pro teu blog lá no Nessullius :)
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Desabafa!

=> Histórico